Tecnologia

SSD: O que é, quais as vantagens e quanto tempo dura?

Todo dia novas tecnologias chegam ao mercado prometendo melhor desempenho, mais rapidez ou mesmo um design diferenciado. Às vezes são soluções inovadoras, outras buscam dar um upgrade e melhorar aquilo que já existe. Este é o caso dos SSDs no setor de armazenamento de dados.

O que é SSD?

O SSD é uma tecnologia de armazenamento de dados considerada a evolução dos HDs por oferecer uma melhor performance. O SSD (Solid State Drive) se diferencia principalmente por não possuir partes móveis em sua estrutura interna, como as peças mecânicas e os discos rotativos existentes nos HDs. Isto é de extrema importância pois não havendo nenhum componente se movimentando internamente elimina-se as possíveis falhas mecânicas.

Os SSDs mais comuns possuem dois componentes principais, a memória flash e o controlador. A memória flash é responsável por armazenar todos os arquivos e dados. Enquanto o controlador administra a troca de dados entre o computador e a memória flash. O controlador é o grande responsável pela performance do SSD. Ele é o encarregado de criptografar as informações, procurar por partes defeituosas e garantir uma vida útil maior a memória flash. A memória flash, por sua vez, torna as operações de leitura e escrita mais rápidas já que opera eletricamente. Além disso, traz ao drive maior resistência a vibrações e quedas.

O que é, quais as vantagens e a vida útil de um SSD.

Vantagens

 Já mencionamos anteriormente algumas importantes vantagens do SSD, mas elas não acabam por aí.

O mais impressionante nos SSDs com certeza é a sua velocidade. Apesar da taxa de transferência dos SSDs superarem a de um disco rígido que trabalha entre 60MB/s e 100MB/s, o ponto de destaque mesmo é a sua velocidade para abertura de arquivos. Enquanto um HD demora cerca de 10 milissegundos para completar a ação os SSDs fazem a mesma tarefa em 0,1 milissegundos.

Outro ponto interessante se dá devido a sua estrutura interna. Como já mencionado, o SSD não possui internamente os pratos magnéticos girando em alta velocidade, como é o caso do HD. Com isso, além dos SSDs não produzirem ruído, o seu nível de calor gerado também é bem menor.

Outra vantagem dos SSDs é que estão cada vez mais compactos, tendo dispositivos com poucos milímetros de espessura.  Isso é importante pois permite a fabricação de ultrabooks finíssimos, como é o caso do MacBook Air da Apple.

As desvantagens dos SSDs ainda são os preços e a capacidade de armazenamento. Para ilustrar, um HD de 1TB custa, no máximo, R$350,00, enquanto um SSD com a mesma capacidade gira em torno de R$1.200,00. A explicação é simples, o custo no desenvolvimento do sistema dos SSD é muito maior do que dos HDs.

Quanto tempo dura?

A vida útil de um SSD é limitada de acordo com a quantidade de ciclos de gravação. Isso significa que quanto mais dados por célula forem salvos, maior o nível de desgaste do equipamento. De acordo com a Ontrack, a vida útil média de um SSD é entre 3 mil e 10 mil ciclos de gravação.

Uma questão importante do SSD é que ele, diferentemente do HD, não se desgasta ao ler os arquivos, apenas quando há a gravação dos mesmos.

Geralmente os modelos de SSDs vêm de fábrica com uma estimativa de gravação que o dispositivo suporta. Isso porque um fator que influencia bastante é o “Wear-Leveling”, uma tecnologia de distribuição de uso que evita que a memória flash do SSD seja utilizada muitas vezes. Então, quando um arquivo é criado ou alterado o controlador automaticamente escolhe uma parte menos utilizada da memória para que aquele arquivo seja gravado.

Como calcular a vida útil do SSD?

Existe uma maneira de calcular a vida útil de um SSD e iremos fazê-lo com o auxílio de uma fórmula disponibilizada pelo compuRAM.

O que precisa ser feito é multiplicar os ciclos de gravação que o mesmo suporta com a capacidade do drive. Vale lembrar que a capacidade do drive irá diferenciar de modelo para modelo. Em seguida iremos multiplicar o fator do SSD pela quantidade de dados que serão gravados por ano. O fator do SSD especifica a taxa da quantidade real de dados para os dados reais gravados, geralmente usa-se um número alto como 5. Em relação a quantidade de dados gravados por ano, quando não há uma estimativa, aconselhamos usar entre 1.500 e 2.000GB. Finalizando, precisamos dividir o produto da primeira multiplicação pelo da segunda e teremos a duração do SSD.

Veja a fórmula abaixo.

O que é, quais as vantagens e a vida útil de um SSD.

Peguemos o exemplo utilizado pela compuRAM. O Samsung 850 PRO suporta 3 mil ciclos de gravação e tem a capacidade entre 512GB a 2TB, iremos utilizar aqui o modelo com 1TB. Em seguida utilizaremos o fator de SSD 5 e colocaremos como base média 1750GB de gravação por ano. Veja a conta abaixo e qual a vida útil do modelo que estamos utilizando como exemplo.

O que é, quais as vantagens e a vida útil de um SSD.

Temos então um total de 343 anos de vida útil do Samsung 850 PRO com capacidade de 1TB. Que tal isso? Claro, isso não é uma garantia que o SSD irá durar os 343 anos mas uma boa previsão.

Entretanto, caso tenha perdido dados e precise recuperar dados do SSD, a melhor alterativa é entrar em contato com uma empresa especializada em recuperação de dados. A HD Doctor, por exemplo, é referência no segmento e conta com mais de 70.000 casos solucionados em todo o Brasil.

 Fontes: Ontrack, CompuRAM e Tecnoblog 

Posts Relacionados:

HD Doctor – Recuperação de Dados: Matriz – Belo Horizonte

Quanto tempo dura um HD e como fazer para que o seu HD dure mais?

RAID: O que é e quais as suas funcionalidades?

O que são bad blocks e como identificá-los em seu HD?

 

Veja também

Post anterior
Encriptação de dados: O que é e por que é tão importante?
Próximo post
Ataques cibernéticos: em 2018 o rombo é de US$45 bilhões
Você também pode gostar
Menu
Open chat